NeuroCards

Bandwagon Effect

Bandwagon Effect 1400 1980 Bruno Venda

Bandwagon Effect

O Efeito Manada é o que normalmente causa comportamentos e/ou normas sociais que se propagam entre os grupos de indivíduos independentemente de evidências ou motivos.

O efeito bandwagon resulta de um tipo de pensamento de grupo, do desejo de estar certo, e da necessidade de estar incluido.

Blind Test não é Neurociência

Blind Test não é Neurociência 1400 1980 Bruno Venda

Blind Test não é Neurociência

O Blind Test visa comparar um produto com os produtos das marcas concorrentes, mantendo a identidade dos produtos incógnita.

Visando uma avaliação mais precisa, quanto à sua qualidade e características em comuns.

A Neurociência Aplicada ao Consumo analisa também produtos face aos concorrentes, mas recorrendo a ferramentas de neurociência, como o Eye Tracking, EEG, EDA, FC ou Reconhecimento Facial.

Efeito IKEA

Efeito IKEA 1400 1980 Bruno Venda

Efeito IKEA

Quando se utiliza o nosso próprio trabalho para a construção de um determinado produto, esse será mais valorizado e amado. O efeito IKEA consiste também numa sobrevalorização dos produtos/bens em nossa posse.

Efeito IKEA foi proposto por Dan Ariely, um dos principais impulsionadores da economia comportamental a partir do século XXI.

Emoção vs Sentimento

Emoção vs Sentimento 1400 1980 Bruno Venda

Emoção vs Sentimento

A emoção é um programa de ações, desenrola-se com ações sucessivas. É uma espécie de concerto de ações que acontecem no corpo, nos músculos, coração, pulmões, nas reações endócrinas. Sentimentos são, por definição, a experiência mental que nós temos do que se passa no corpo.

António Damásio

Lei de Yerkes-Dodson

Lei de Yerkes-Dodson 1400 1980 Bruno Venda

Lei de Yerkes-Dodson

A performance e o desempenho de um trabalhador aumenta com o stress mental ou fisiológico, mas até um determinado ponto, pois quando os níveis de stress atingem patamares demasiado elevados, o desempenho e performance diminui independentemente do estímulo.

Yerkes & Dodson (1908)

EUREKA!

EUREKA! 1400 1980 Bruno Venda

EUREKA!

O Efeito Eureka, também conhecido como momento “Aha!”, refere-se à experiência como que, de repente, uma pessoa entende um conceito incompreensível ou descobre a solução ou a ideia para um problema que parecia insolúvel.

Princípios de Neuromarketing: Neurociência aplicada ao Consumo, Espaços e Design

Marketing Experiencial

Marketing Experiencial 1400 1980 Bruno Venda

Marketing Experiencial

São as percepções, sensações e pensamentos que os consumidores manifestam quando interagem com determinados estímulos de marketing (como espaços de consumo, marcas, websites, entre outros) ou mesmo quando consomem um produto ou serviço, bem como as memórias que perduram dessa experiência.

Princípios de Neuromarketing: Neurociência aplicada ao Consumo, Espaços e Design

Cérebro Reptiliano

Cérebro Reptiliano 1400 1980 Bruno Venda

Cérebro Reptiliano

Formado apenas pela medula espinal e pelas porções basais do prosencéfalo, é uma parte do sistema nervoso partilhada com várias espécies, incluindo os répteis. Promove reflexos simples e instintivos direcionados somente para a sobrevivência e para a reprodução.

Princípios de Neuromarketing: Neurociência aplicada ao Consumo, Espaços e Design

Eye Tracking

Eye Tracking 1400 1980 Bruno Venda

Eye Tracking

Esta tecnologia recorre a câmaras especializadas que conseguem captar movimentos oculares mínimos e, a partir desses dados, é possível elaborar uma avaliação comportamental implícita já que grande parte dos movimentos dos olhos não resultam da vontade própria do indivíduo, mas sim das características dos estímulos externos.

Witzner & Qiang Ji (2010)

Lovemarks

Lovemarks 1400 1980 Bruno Venda

Lovemarks

Tem como objetivo primordial estabelecer um elo de ligação duradouro com o consumidor, de forma a envolvê-lo num rol interminável de emoções e sensações positivas que fortaleçam sucessivamente esse vínculo entre marca e consumidor.

Princípios de Neuromarketing: Neurociência Cognitiva aplicada ao Consumo, Espaços e Design

Neuropackaging

Neuropackaging 1400 1980 Bruno Venda

Neuropackaging

A avaliação do design de embalagens é uma das possibilidades que os estudos de neuromarketing permitem, sobretudo em dois aspetos principais:

1. Avaliar a saliência visual da embalagem em contexto real de consumo, se se destaca ou se passa despercebida;

2. Avaliar o grau de envolvimento emocional e afetivo que o design provoca no consumidor.

Princípios de Neuromarketing: Neurociência Cognitiva aplicada ao Consumo, Espaços e Design

Perceção Visual

Perceção Visual 1400 1980 Bruno Venda

Perceção Visual

Nem sempre vemos o que pensamos ver. Quando olhamos para uma cena, temos tendência a pensar que a vemos na sua totalidade, com apenas um olhar, mas na realidade, selecionamos pequenos detalhes e o nosso cérebro constrói o restante com dados previamente recolhidos na memória.

Princípios de Neuromarketing: Neurociência Cognitiva aplicada ao Consumo, Espaços e Design

Back to top